MATER

Exposição patente até 11 de Junho 2023

Pavilhão Branco/Galerias Municipais de Lisboa

GM_PBranco_Mater_IGMater é uma exposição colectiva co-produzida pelas Galerias Municipais/ EGEAC e a associação cultural Oficinas do Convento e apresenta trabalhos de Virgínia Fróis, Marta Castelo e Maja Escher, cujo percurso artístico se tem desenvolvido em proximidade com os valores e materiais desta associação com mais de 26 anos de existência, sediada em Montemor-o-Novo.
Mater liga-se a uma dimensão subtil, mas presente no trabalho das três artistas, de que da terra tudo se ergue, gera e ganha forma, quer no plano físico e matérico, como na sua dimensão poética e simbólica.
A partir dos seus lugares de referência, as artistas recolheram barro, plantas, pedras e outros elementos naturais, para criar um corpo de trabalhos inéditos e site-specific. Abordam a sua relação com a paisagem, reflectindo sobre processos íntimos, corpóreos e simbióticos, a natureza e a cultura dos lugares que habitamos e a importância da água ou da sua escassez para a possibilidade de vida e permanência num território desertificado e em constante transformação.
A exposição estará patente no Pavilhão Branco, até 11 de Junho de 2023 e tem a curadoria de João Rolaça, membro da Oficinas do Convento.
EN//
Mater is a group exhibition co-produced by Galerias Municipais / EGEAC and the cultural association Oficinas do Convento, presenting works by Virgínia Fróis, Marta Castelo and Maja Escher, whose artistic path has been developed in proximity with the values and materials of this association with more than 26 years of history, based in Montemor-o-Novo.
Mater connects to a subtle, shared dimension in the work of these three artists, in which everything arises from the earth, generating and taking shape on a physical, material, poetic and symbolic level.
From their places of reference, the artists have collected clay, plants, stones and other natural elements to create a body of as yet unseen site-specific works. They each explore a relationship with the landscape, reflecting on intimate, corporeal and symbiotic processes, the nature and culture of the places we inhabit, and the importance of water or its scarcity with respect to life and permanence in a desertified territory undergoing constant transformation.
The exhibition will be on show in the Pavilhão Branco until 11 June 2023 and is curated by João Rolaça, a member of Oficinas do Convento.

Virgínia Fróis – O poço é o espelho do céu

Marta Castelo – Escrita da cidade

Maja Escher – Quantas vezes dorme a água?

 Composição polifónica: Cécile Matignon